terça-feira, 21 de maio de 2013

O Matrimônio na sua Natureza Original

     “Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (2,24).

    O matrimônio é uma instituição que ultrapassa tempo e religião. Podemos afirmar que o surgimento do matrimônio coincide com a criação do homem e da mulher. Deus, ao criar o ser humano, deixou inscrito em sua natureza a dimensão relacional na diferença dos sexos: “Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gn 1,27). Assim, o próprio Deus é o autor do matrimônio com seus bens e fins (cf. GS 48,1).

    O matrimônio é a instituição mais antiga e mais querida por Deus. Deus criou todas as coisas por amor (Gn 1, 3 - 2. 3). Disse João Paulo II na Familiaris consorcio que o homem e a mulher foram criados por Deus com um amor singular e chamados ao amor e à comunhão (n. 11). Ao homem e à mulher ele confiou uma tarefa primordial: a formação da família, instituição imprescindível para a felicidade pessoal e comunitária.

    No livro do Gênesis encontramos duas narrações que ressaltam a dimensão de comunhão e de fecundidade no amor. No primeiro relato (cf. Gn 1,26-30) diz que Deus criou o homem à sua imagem e semelhança e que o cria homem e mulher. Deus os abençoou e concedeu-lhes que fossem fecundos. Também lhes concedeu o domínio da terra com tudo o que contêm nela e que use dos seus frutos e animais para sobreviver. No segundo relato (cf. Gn 2,6.18-24) diz que Deus Criou o homem do pó da terra e que Deus e o colocou num jardim. Mas Deus viu que o homem estava só e que precisava de uma companheira que o correspondesse, que o realizasse. Deus então chama o homem para dar nome a todos os animais, mas o homem não acha uma companheira que lhe correspondesse. Deus faz o homem dormir e cria de sua costela, de seu lado, a mulher. O homem exulta quando a vê: “Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne” (2,23). E Deus disse: “Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (2,24). Assim, Deus chama o homem e a mulher a serem fecundos e expressar o amor de Deus por meio da sua colaboração com a perpetuação do gênero humano, os chama à comunhão entre si e à comunhão com Ele.

    A partir dessas reflexões tiradas do livro do Gênesis, percebemos que está presente no matrimônio desde o princípio seus fins e propriedades essenciais. Os fins: o bem dos cônjuges e a geração e educação dos filhos. As propriedades: a unidade e a indissolubilidade (cf. CDC 1055).

    O povo de Israel tinha uma visão muito positiva do matrimônio e da família (Sl 100,2; Pr 17,6; Ecl 10,17, Eclo 3,3,11; 7,25; 30,7; 32,26). Esta concepção se ligava à compreensão de Deus como Criador do ser humano “à sua imagem e semelhança” (cf. Gn 1,26). O matrimônio era entendido na mesma linha da Criação: foi abençoado. Deus viu que era bom (cf. Gn 1,31). E Cristo abençoou este matrimônio e o elevou à dignidade de sacramento (Mt 19,4-6; 1 Cor 7,10 cân 1055).

    Pode-se, então, concluir que o matrimônio é uma instituição natural e boa em si mesma. Deus criou tudo do nada e em tudo está expresso o amor de Deus. Os cônjuges são chamados por Deus colaborar com seu plano de criação, gerando e educando seus filhos no amor (2Tm 3,16, Cl 3,21). Ao mesmo tempo são chamados à comunhão entre si e com Deus (1 Cor 7,14). Todo casal é chamado a viver o matrimônio acolhendo seus fins e propriedade essenciais. O bem pessoal, da família e da sociedade depende de uma vivência do matrimônio na sua integridade (GS 47).

Seminarista José Antônio Ramos

Postar um comentário

Muito obrigado pela visita!!!

Clique nas paginas para ver outras matérias.

Seguidores

Total de visualizações de página

Colaboradores


Foto: