terça-feira, 21 de maio de 2013

Nas Amarguras da Vida

Carta - Por Santa Catarina de Sena - Doutora da Igreja.

Nas Amarguras da Vida

Para Dona Stricca Salimbeni

    1 - Saudação e Objetivo.

    Em nome de Jesus crucificado e da amável Maria, caríssima filha no doce Cristo Jesus, eu Catarina, serva e escrava dos servos de Jesus Cristo, vos escrevo no seu precioso sangue, desejosa de vos ver fiel serva do nosso Criador, com autêntica e santa paciência.

    2 - Necessidade da Fé Viva.

    Lembrai-vos de que não há outra maneira de agradar a Deus. Somos peregrinos e viandantes: Sem que o tempo jamais pare, corremos em direção ao nosso fim, a morte. E precisamos da iluminação da fé para atingirmos o termo da caminhada, sem ter como habitáculo as trevas da incredulidade. Há de ser, porém, uma fé viva, ou seja, acompanhada de ações boas e santas. Dizem os santos que a fé sem as obras é uma fé morta (Tg 2,26). Nós cremos que Deus e Deus que Ele nos criou à Sua imagem e semelhança; que nos deu Seu Filho unigênito o Verbo, nascido de Maria e morto na cruz para nos livrar da morte e dar-nos a vida da graça. Perdemos tal graça na desobediência de Adão, mas a recuperamos pela obediência de Cristo, da mesma forma como todos os homens haviam herdado a morte com o pecado de Adão. Ao receber a iluminação da fé e ao experimentar o amor de Deus por nós na esperança da ressurreição no dia do juízo (final), o cristão se apaixona por essa iluminação e amor divinos na proporção do próprio conhecimento de Deus. Então compreende que Deus quer somente a nossa santificação. Tudo o que Deus nos dá ou permite nesta vida tem essa finalidade. Aflições e consolações, ofensas, zombarias, traições; perseguições do mundo, tentações do demônio, fome e sede, doença e pobreza, prosperidade e alegrias, tudo é permitido para o nosso bem. A riqueza Se nos dá para que ajudem¬os os pobres; os prazeres e posições sociais, para sermos humildes e agradecidos a Deus, para não cairmos no orgulho; sofrimento, venha de onde vier, e a pobreza, são para que atinjamos a perfeita paciência, conheçamos a instabilidade do mundo e, elevemos unicamente a Deus nosso amor e nossas aspirações, por meio das virtudes.

    3 - Os Sofrimentos são Passageiros

    Desse modo, recebemos o prêmio de nossas fadigas, pois toda dificuldade suportada por amor de Deus tem sua remuneração, o prêmio reservado para a vida eterna, na qual haverá vida sem morte, luz sem trevas, saciedade sem enjoo, fome sem dor: Santo Agostinho diz assim: “O fastio está longe da saciedade e o sofrimento longe, da fome” (cf. santo Agostinho, Meditações, c. 22). Na vida futura, toda boa ação será premiada e toda culpa será castigada.

    4 - Deus sabe o que Faz.

    Quem tem fé viva, portanto, pratica boas obras e com paciência suporta o sofrimento e a fadiga por amor de Deus e para a remissão dos seus pecados. Pessoa assim até valoriza a dor, pensando em quem a permite e para que a permite. Quem permite a dor? É Deus, bondade suprema e eterna. E a permite por um amor especial, nunca por ódio. Jesus o disse aos discípulos: “Eu vos envio para serdes perseguidos e martirizados no mundo. Não o faço por ódio, mas por um amor especial. No mesmo amor com que o Pai me amou, Eu vos amo. Embora o Pai me amasse de modo particular, mandou-me para morrer a cruel morte na cruz”. Para que Deus nos envia, então, a dor? Por amor e para a nossa santificação, como ficou dito; para que na dor sejamos santificados. E quem somos nós, os destinatários de tais sofrimentos? Somos um nada! Por nossas culpas, apenas merecedores de mil infernos, se fosse possível. Porque ofendemos a Deus, que é o bem infinito, o castigo teria de ser infinito.

    Mas na sua misericórdia, Deus nos pune aqui no tempo finito, com um sofrimento finito. De fato; as dores desta vida acontecem na medida do tempo, não mais que isso. Por causa da brevidade do tempo, até a maior dor torna-se pequena. Dizem os santos que o nosso tempo consiste numa ponta de agulha. A vida humana é um nada:, pouca coisa. Portanto, o maior sofrimento torna-se pequeno. Passada a dor, já não sofremos mais. Quanto à sofrimentos futuros, não temos certeza se virão, uma vez que nunca sabemos quanto vamos viver. O que existe é somente presente. Nada mais.

    5 - Exortação Final e Conclusão

    Coragem, querida filha! Acorda do sono. Não durmamos mais. Sigamos com fé viva e grande paciência os passos do crucificado. Banhai-vos no sangue de Cristo crucificado. Nada mais acrescento. Permanecei no santo e doce amor de Deus. Jesus doce, Jesus amor!

(Enviado por Padre José Luís)

Postar um comentário

Muito obrigado pela visita!!!

Clique nas paginas para ver outras matérias.

Seguidores

Total de visualizações de página

Colaboradores


Foto: