sábado, 17 de novembro de 2012

Os Cristãos Diante da Morte

     No dia 2 de novembro celebramos o dia de finados e perguntamos: Como vivem os cristãos a novidade trazida por Cristo, a sua vitória sobre a morte? A está pergunta Catalamessa responde que “a morte, como a língua materna, nós aprendemos a conhecê-la vivendo, ouvindo como falam sobre ela, qual a atitude das pessoas quando ouvem nomeá-la” (CATALAMESSA, 1992, p. 25).

    Vemos que a predominância da linguagem sobre a morte foi a sapiencial e não a mistérica. Nos cantos populares, nos epitáfios, em pregações fúnebres, em tudo era citado o Eclesiastes. Nas artes, criptas sempre apareciam as caveiras denotando que a morte era vista como essencialmente a mestra da vida, o escarmento dos vícios, uma pedagoga severa (Cf. CATALAMESSA, p.1992, 28). Até mesmo os quadros dos santos traziam a caveira com essa denotação.

    Mas com o passar do tempo houve uma redescoberta e esse tipo de religiosidade passou. Para haver tal renascimento antes passou por uma época de crise. O positivismo, o marxismo, e toda uma corrente não-crente acusavam os cristãos de infidelidade a terra (Cf. CATALAMESSA, 1992, p. 31). Do mesmo modo que a ideia da morte foi aos poucos desterrada aconteceu com a ideia de eternidade. Na pregação cristã se vê pouco falar de vida eterna de esperanças escatológicas. Isto revela o quanto de desejo de vida eterna a humanidade tem.

    O mundo secular procurou banir tudo que se referia a morte, cemitérios distantes das cidades, Igrejas proibidas de tocarem sinos fúnebres. Assim pensava que poderia eliminar a morte eliminado sua lembrança.

    É preciso uma retomada e uma renovação de uma pregação cristã autentica dos Novíssimos. Salvando o que tinha de bom a espiritualidade passada e inserindo-a em um novo contexto que corresponda às necessidades da Igreja atual. Sobre isso vemos que “o rito das exéquias deve exprimir mais claramente a índole pascal da morte crista” (SC, 81).

    No Concilio Vaticano II há um grande esforço para redescobrir a visão da morte numa perceptiva pascal e mistérica. Nos prefácios e nas orações pelos falecidos há esse mesmo esforço, da vivencia da fé pascal. Portanto, aos poucos está havendo esta redescoberta da fé, vivendo profundamente o mistério a ressurreição.

    Assim, São Paulo nos oferece de modo sucinto o sentido de nossa vida, firmando uma verdade de fé crista: “De fato, nenhum de nós vive para si mesmo, e nenhum de nós morre para si mesmo. Pois, se vivemos, é para o Senhor que vivemos; se morremos, é para o Senhor que morremos. Quer vivamos, quer morramos, pertencemos a nosso Senhor” (Rm 14,7-8). Esta passagem tem um profundo significado teológico sobre a escatologia. Significa que, depois de Cristo, a contradição máxima não está entre o viver e o morrer, mas entre o viver para si e o viver para o Senhor. Para quem vive para o senhor, morte e vida são apenas duas maneiras diversas de estar com ele: primeiro no perigo, depois na segurança.

    No dia de finados celebramos também o amor de Deus. A demonstração do amor de Deus ao homem é o remédio mais eficaz contra o medo da morte. Desde que o mundo existe, não deixaram os homens de procurar remédios contra a morte. Um desses remédios é a prole: a sobrevivência nos filhos. Era o remédio principal para o crente do Antigo Testamento. Outro é a fama. “Não morrerei todo – dizia o poeta latino (Horácio) – restarão os meus escritos, a minha fama.” Outro remédio ainda, ligado à ideologia marxista, chama-se “o gênero”, ou “a espécie”: o homem passa como individuo e como pessoa, mas sobrevive no gênero humano que é imortal. Atualmente se difunde a crença num novo remédio: a reencarnação. “Os que professam essa doutrina como parte integrante de sua cultura e religião, sabem o que seja realmente a reencarnação, sabem que ela não é um remédio e um consolo, mas um castigo. Não é uma prorrogação concedida para o gozo, mas para a purificação. Reencarnar-se a alma porque ainda tem algo para expiar, e para expiar devera sofrer. De mais a mais que crueldade!” (Cf. CATALAMESSA, 1992, p. 44).

    Portanto, para tal problema do medo da morte temos apenas uma solução: demonstrar o verdadeiro rosto de Deus. Vale-nos o salmo oitavo: que é o homem, senhor, para dele te lembrares, e um filho de Adão para, para vires visitá-lo? (Sal 8). Somente Jesus Cristo é o remédio verdadeiro para a morte; e ai de nós cristãos se não o anunciamos ao mundo. Demonstrar que nem a morte nem a vida poderão separar-nos do amor de Deus que esta em Cristo Jesus nosso senhor (Cf. Rm 8,38).

Padre José Luís de Araújo Paiva

Postar um comentário

Muito obrigado pela visita!!!

Clique nas paginas para ver outras matérias.

Seguidores

Total de visualizações de página

Colaboradores


Foto: