sexta-feira, 13 de novembro de 2009

POR UMA LITURGIA MAIS VIVA

Amigos e Amigas quando se derem conta de que a Liturgia é nossa matriz de mudanças e transformações, todas nossas práticas litúrgicas ganharão um brilho maior.

Sabemos que ela é nossa ação em prol do desenvolvimento do Reino, mas estamos embriagados em ações mínimas e sem sentidos.

Falta-nos percorrer o caminho da espiritualidade... Minha intenção é tentar dizer o sentido dos gestos e símbolos da Liturgia que é ressoar para nossas atitudes cristãs.

Cristo é nossa “festa”, se deixe contagiar por esse amor, afinal ele morreu e vive por nós. Na liturgia em especial, acontece os mistérios da vida de Jesus e sua presença viva na história da salvação.

Cristo por mediação do celebrante, nos chama ao coração de Deus, que faz fecundar em nós o desejo de sermos anunciadores da sua palavra.

É um caminho contínuo a percorrer, pois a liturgia celebra nossa caminhada a caminho com ele, para que as surpresas não sejam demasiadas e sim que o reconheçamos como Pai, que liberta e salva.

Há algum tempo, estamos imersos na cultura do “mínimo”, as pessoas só se deixam levar por coisas fáceis e que não exige muito preparo. Sendo assim, até em nossas celebrações notamos certa frieza, um estado de inércia, falta algo mais, algo que nos leve ao mistério pleno de celebrar a Eucaristia.

Que sejamos capazes de superar esses impasses, e que tenhamos mais empenho e dedicação para as coisas do sagrado.

Mas a liturgia não pode ser vivenciada como se a tônica dela fosse produzir espumas emocionais. Sabemos que a imaginação pode se submeter aos desvios do coração sentimental, aliás, o pietismo de várias épocas na história da igreja sempre pretenderam manejar a imaginação por meio de sentimentos. E o resultado sempre foi um subjetivismo religioso, ingênuo e acrítico. Ingênuo porque se fica enjaulado na armadilha interior de apostar que a imaginação representa e significa a realidade. Não é bem assim. Quem solta as rédeas da própria fantasia religiosa dissolve corrosivamente a objetividade dos símbolos e torna-se caldo de cultura onde pululam um psicologismo consolador casado com o individualismo de satisfação imediata. Essa ligação não homenageia a transcendência do Mistério de Deus nem a nossa dignidade humana.

Portanto, mergulhemos no mistério, e deixemos que a humildade nos liberte dos miasmas do intimismo e do caráter minimalista.

Que nossa liturgia seja reflexo dessa nova benção, que é acolher e assumir a graça libertadora, que nos concede uma vida nova em Cristo.



NATANAEL DINIZ

Postar um comentário

Muito obrigado pela visita!!!

Clique nas paginas para ver outras matérias.

Seguidores

Total de visualizações de página

Colaboradores


Foto: